sexta-feira, 13 de abril de 2012

Ano novo de novo

Eu já falei para o Leandro que ele dá zica. Todo ano dá alguma merda. De 2009 para 2010, fomos para Ubatuba, estava chovendo, alagado e com uma russa doida. De 2010 para 2011, fomos pra Salvador numa praia estranha, gente estranha e um som horrível.

Esse último final de ano, fomos para casa do pai do Leandro no Guarujá e encontramos o Fabio por lá. Na virada, não estava muito lotado, não estava muito quente... Na verdade, estava chovendo e meio vazio de pessoas beneficiadas com todos os dentes, cabelo bom e nome fácil.

Já estava chovendo quando saímos de casa e eu usava um modelito bêbado 2012: bermuda, sem camiseta, chinelo, com 20 reais numa carteira de papel alumínio improvisada, duas cervejas e usava sunga para eventos aquáticos além das sete ondinhas que nunca dão sorte.

Fomos para a orla e começamos a andar para achar movimento, pessoas, uma música. Andamos muito. Parecia que procurávamos a terra prometida com fogos de artifício e pessoas razoáveis. Atravessamos duas praias. Se fosse de manhã e com sol, eu me sentiria um velhinho simpático fazendo minha caminhada, mas estava chovendo e à noite.

Eu estava numa condição diferente em que não estava procurando ninguém, mas queria fazer alguma zoeira. Eu queria ficar bêbado socialmente relaxado e os outros dois que me segurem. Mesmo que eu estivesse procurando alguma sarna pra me coçar, eu ficaria na mesma condição: sozinho. Minha habilidade com a mulherada não é lá essas coisas e ainda com a zica do Leandro e o Fabio breaco. Vixe! 0x0 com certeza!
(Observação da zica do Leandro: Juntos, nunca pegamos mulher)

domingo, 4 de março de 2012

Criminoso na balada


Ultimamente eu estou meio velho pra balada. Aaaaah... beber, dançar... pooooatz! Quando se começa a reclamar de tudo, é porquê não se está afim. Até aí, fico em casa, no máximo um barzinho e fico tranquilo. Mas eu estava enrolado com a Karina que gosta de balada. "Ai... quero sair pra dançar"... Lá vou eu fazer companhia.

Ela vai com as amigas, eu vou ficar perdido... Ih! já vi tudo. Vou chamar um amigo para ir , né? E para chamar um brother, eu uso um vocabulário de brother:  "Então... aí... hoje vou na baladinha com uma minazinha e as amigas dela. As minas são feias, mas tem uma que é da hora".

Realmente tinha uma lindíssima, mas se não tivesse, eu daria uma de louco: "Ae... as minas não são lindas, mas iria fácil". Na verdade, eu não iria nem fazendo o sinal da cruz naquelas amigas da Karina, mas não vou desmotivar ninguém. Chamei o Thiaguinho que não precisa de tanto incentivo assim. É só dizer que vai ter cerveja e ele se vira. E se vira mesmo. Desde quando o conheço, ele sempre tá acompanhado, e muito bem.

Ele topou e encontramos as "minazinhas" na frente da balada. Eu bebendo como amador e ele como profissional, pegamos a fila e entramos. Baladinha normal, pessoas mais ou menos bonitas e um bar. O que fazer? Vou fingir que sei dançar até eu ficar bêbado. Quando eu ficar bêbado, aí danço qualquer coisa. Vou chamar o Thiag... Ih! Cadê?