sexta-feira, 24 de junho de 2011

¡Olé,Canário! - Indo pra lál

Na ida pra Espanha, uma escala no Chile e ainda esperar 3 horas pra pegar ooooutro voo (voo promocional,  né?). Mas dá pra olhar as lojas, tirar foto e praticar o espanhol na versão criada por brasileiros e difundida pelo Luxemburgo ("lo trabajo").

A língua é diferente mesmo, mas é tranquilo pra entender.  E hablar?  Ainda bem que estava longe. As gafes que cometi ficaram em terras estrangeiras. Nem saberia dizer toda a vergonha que passei, pois só tinha certeza que era gafe quando a outra pessoa falava "¿como?" e me olhava com cara de tonto latino.

Eu estava empolgado com a viagem, mas queria aproveitar pra trocar umas moedinhas de dólar que eu tinha. Entre moedas de 25, 10, 5 e 1 cents de dólar, juntei 10 dólares. Passei meia hora contando moedinha na mesa da lanchonete. Parecia que eu estava contando as moedinhas do Tio Patinhas. Mas contei tudo e fui pagar. Eles não aceitam moedas de dólar. Andei aquele aeroporto inteiro e ninguém aceitou meu dinheirinho.

Eu andando com uma sacola cheia de moedas pelo aeroporto, não foi algo agradável.  E até meio constrangedor.  "O que estão pensando de mim?", "Essas pessoas estão olhando meio torto", "Será que estão pensando que assaltei uma igreja com dizimo em dólar?"

Orra! Uma igreja diferente, bilingüe e dizimo em dólar. Quem seria o padre? Jô Soares? Seria interessante ele fazer a missa no formato de talk show. O sexteto tocando música de igreja, e o Jô entrevistado alguém interessante como uns anjos.

"Hoje,  vamos entrevistar o anjo da guarda que se destacou fazendo seu serviço com roupas ousadas. Pode vir, Gaibriel!"

[aplausos da platéia]

Jô: essa roupa não te aperta?
Gaibriel: é fashion, isso que importa. Seu gordo mal vestido!

Acabaria com o Jô saudando "uma benção do Gordo! Smack!"

É... Nem rezando alguém aceitou minhas moedas. Ou então não aceitaram de sacanagem. "Ih, é brasileiro?  Hum...". Muitos brasileiros se acham quando saem do Brasil, mas o fato é que ninguém dá moral pra um tupiniquim. Só na hora de jogar futebol. É como achar que todos japoneses são inteligentes,  todos os negros sabem sambar, ou todo corintiano tem mais de 2 passagens na polícia.

O jeito é ir viajar com as moedas mesmo e achar que todo espanhol dança flamenco ou é toureiro.
¡Olé, Canário!

Nenhum comentário:

Postar um comentário