sábado, 17 de dezembro de 2011

Curiosidade não mata

Ser curioso nem sempre é uma coisa ruim. Por exemplo, eu não gosto de ler, mas gosto de saber o que está escrito no livro, o que me força a ler. Sou curioso e gosto de saber das coisas. O que não me torna um fofoqueiro. Não gosto de saber da vida dos outros e muito menos divulgar as informações.

Gosto de saber de acontecimentos. No meu trabalho, tem uma janela para uma avenida grande e uma bifurcação mal sinalizada, o que gera alguns acidentes, umas brigas de trânsito... os carros vão bater se eu querendo ou não. Se não depende da minha vontade, pelo menos gosto de ver.

Esses dias eu estavam na 23 de Maio no meio do trânsito, meu carrinho, meu rádio e eu na tranquilidade. Percebi que no corredor de motos, um motoqueiro estava conversando com um motorista de um carro verde. Pensei "Que folgado! Isso é lugar pra conversar?". Depois vi que mais 2 motoqueiros olharam. Quase deu um acidente. Aí seria o caso da curiosidade dos motoqueiros matar, sim. Pensei que fosse alguém famoso, um jogador de futebol ou alguém incrivelmente linda. Ha! Sou curioso, né?

quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

Rolê no supermercado

Agora inventei essa de comer bem, de 3 em 3 horas... faz diferença pra saúde e quem já ficou com aquele aventalzinho na UTI, quer ficar bem longe de hospital. Mas comer bem tem suas curvas, seus obstáculos, suas vias-sacras... como ir ao mercado.

Qualquer dia de semana depois do expediente é ruim de ir. Sábado e domingo então... só por decreto ou geladeira vazia. Para evitar tumultos, já cheguei ir ao mercado oito da manhã. Além de mim, só tinham minhas remelas, os funcionários e os velhinhos. Uma velharada que já não existiam mais filas preferenciais. É o melhor horário, mas nem sempre dá para ir de manhã.

Na maioria das vezes, você vai no horário que os outros também vão. E um supermercado com muita gente gera conflitos, trânsito de carrinhos, disputa pelo melhor frango, criança chorando... é um inferno com gôndolas.

segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

Mas e o xampu?

Meu sobrinho de 11 anos veio me perguntar sobre o aniversário dele:
- Como você acha que eu devo cortar meu cabelo para o sábado?
- Ah! Fala pro cara tirar dos lados e repicar em cima. Não tem como errar e dá pra pentear de um monte de jeito.
- Tá bom.

Sábado vem ele com o cabelo arrumado, cheio de gel e parecendo uma calopsita. Eu errei, pois tem como o cara errar o corte, mas vou falar o quê?

- Ficou bom, sim. Mas tem que tomar banho que já está quase na hora.
- Ih! Mas vai desmanchar o cabelo. - falou olhando pra minha irmã.

Minha irmã responde tranquilamente:
- É só você tomar banho e não molhar a cabeça.
- Mas como eu vou passar o xampu?

quarta-feira, 23 de novembro de 2011

Dicas do Vini - Homem na balada, barzinho, boteco e afins

Você já leu os post das outras dicas? Aquelas de higiene e antes de sair de casa. É bom não ignorar (principalmente o da higiene).


Já leu? Está prontinho para sair, conhecer gente nova, conversar, bater papo... Se você for homem e "sair pra conhecer gente nova", é uma desculpinha esfarrapada que você dá pra sua mãe (e afins) para sair e tentar pegar alguém.


No mínimo, homem vai sair e ficar "de boa", mas nunca 100% "de boa". Se fosse 100% "de boa", o homem não se arrumaria, não passaria perfume e nem tomaria banho depois do futebol. Homem que saiu e está "de boa", se tiver oportunidade, vai anotar o telefone da oportunidade pelo menos. E claro, tem um ou outro que ficam de boa realmente, mas é raro.


Oportunidade... anote essa palavra. É isso o que você vai procurar quando sair de casa. Você quer "conhecer gente nova", mas a chance de tomar bota é grande se você sair chegando sem pensar. E também vai parecer cachorro cheirando a bunda de todo mundo. Então procure oportunidades e saiba aproveitar.


Vamos de alguns tópicos de lugares em que você pode encontrá-las:




  • Carro (no trânsito)
Não é para ver alguma bunda na rua e buzinar. Eu acho engraçado, mas não funciona. Você já viu alguma mulher dar bola depois de "E aí? Quer carona?" ou depois de uma buzinada? Nunca vi.


E gritar "Que saúde, heim?" ou fazer "fiu-fiu" estão no mesmo nível. A diferença que fazer "fiu-fiu" já demonstra sua idade avançada e sua falta de prática.

Um dos benefícios de se morar em São Paulo: mais trânsito, mais oportunidades. Quem nunca olhou para o carro ao lado no semáforo? Você procurou um rosto bonito, mas você já viu alguém limpando o nariz sem ferramentas. Opa! Horário errado. Aquele horário em que você está indo pra balada é quando todo mundo está indo pra balada, logo esse é o horário certo de olhar para o lado.

Porém, nessa "tática" tem uma desvantagem: se você for feio, não vai ter muito sucesso. No trânsito, a primeira coisa que vão ver é o capricho da sua mãe em fazer a sua cara. Mas isso não é garantia de sucesso, pois a mulherada até pode te achar o mais gato, o mais lindo... mas se a mulher for tímida, ela nem vai dar conversa.

Não desista. Quando menos você esperar, alguém vai olhar pra você e mostrar quantos dentes tem... e você vai falar alguma coisa. Pode ser alguma coisa besta como "Onde fica a Rua General Alberto Torres?". Tá ótimo! Se você viu que a menina deu bola, pergunte pra onde ela (ou elas. Mulher anda em bando ou dupla) vai  (ou vão). Não deu certo? Não tem problema... vá tentando. Não se preocupe com isso, pois isso acontece quando menos se espera.

Uma vez eu estava parado no trânsito, comendo uma bolachinha, concentrado na música, quando aparece um carro com umas 4 meninas. Aí tem aquela famosa sequência: Você olha >; Menina olha > Você sorri >  Ela sorri de volta > Ela comenta com as amigas > As amigas olham discretamente como se procurassem uma promoção de bolsas > aí você sorri de novo e dá uma risadinha do tipo "te peguei". Depois disso, conversamos umas besteiras aí a menina saiu do carro das amigas e veio pro meu. Au aaaau! Foi engraçado, não foi a melhor coisa da minha vida, mas estava lá sem fazer nada mesmo... depois peguei o telefone e a menina voltou pro carro das amigas.

E olha, algumas mulheres até podem não concordar, mas é fato: o carro ajuda a embelezar o homem. Se tiver um carro bom, suas chances serão melhores. E não adianta pensar "ah! mas isso é só com as interesseiras". Vai por mim, as interesseiras são maioria, a outra parte vai pensar como você conseguiu ter um carro bom e vai valorizar.


  • Balada
Balada em geral não dá nada. Tudo gira em torno da pista de dança que é o pior lugar. Você pode até falar "aaah, mas eu já me dei bem na pista...", mas me explica como você conseguiu conversar com a música? Sei lá. Ou estou surdo ou você tem ouvido biônico. Acho que pista é péssimo, só serve pra dar umas olhadinhas e ver quem olha de volta.


Aí tem os manés que puxam cabelo, pegam no braço, dão um mata-leão, jiu-jitsu, capoeira... tudo no meio da pista ou nas passagens. Pra mim, isso é a mesma coisa de fazer chantagem com a mulher: "ou você me beija, ou vou te dar uma bifa". Acho que se falasse isso para ela, seria mais honesto e teria algumas que gostariam.

Tá na pista, engane os outros que sabe dançar e que não está nem aí pra nada. Vá procurando olhares de recepção e aprovação. A mulher vai dar uma brecha qualquer hora indo ao bar, área de fumantes... e é lá que a conversa pode acontecer.


Quantas vezes eu não fui pra área de fumante segurar cigarro pra fingir que fumo. E puxar papo é fácil: "Tem cigarro?". Ir para o balcão e falar "tô com muita sorte, brinda comigo pra ela não ir embora?". 


Tem mulher com umas manias de sair pra noite pra ficar dando fora em todo mundo. Geralmente é a menina mais ou menos que é "a melhor da balada". Chegam 1, 2... 8 e ela não dá nem conversa pra ninguém. Olhe antes de tomar uma bota gratuita. As mulheres olham quando você chegam em outra e percebem que são a segunda opção.
  • Barzinho
Você precisa ser muito bom e estar bem confiante pra dar certo. Imagine 4 mulheres com altos papos de roupa, outras mulheres e bofes, e você interrompendo o assunto pra falar "E aí, gatinha?". (Chamar de "gatinha" é perder pontos) Elas vão olhar, medir você e analisar friamente. Se houver expectativa sobre você, significa que você será julgado racionalmente e com tendências a botar defeitos para comentar com as mesmas amigas da mesa. É muito mais fácil surpreender quando não tiver expectativas.

Antes de chegar, olhe e escolha a amiga mais feia do grupinho (sempre tem uma feia) e chegue do lado oposto ao da amiga feia. Olhe para todas, mas olhe mais vezes para a feia. Mulher é competitiva e vai reparar que você está olhando a mais feinha. Elas vão pensar  "como assim ela olha para ela e não para mim?". Aí você já começa fazer o que elas não esperam.


Precisa ter habilidade, assunto e jogo de cintura. É difícil, mas é mais fácil do que abordar uma dupla. Em dupla, as duas julgam você e seu amigo. E é claro que é mais fácil ela dar um fora do que dar mole pra alguém e ser zuada pela amiga.

  • Churrasgato
Se o dono da casa for seu amigo, ele pode falar quem está solteiro, quem é chato, e quem é quem. Ele poderá fazer mais do que isso. Pode até fazer seu marketing com algum "alvo" bom. Lembrando que o trabalho maior é seu.

Mas lembre-se do básico: não beba demais, não coma demais e não faça gracinhas demais. Queimar filme é muito fácil nessas ocasiões. E é fácil começar um assunto também.

Tenha calma, tenha paciência. A mulherada não vai fazer nada no começo. Quando o povo estiver indo embora, aí pode ser que role alguma coisa.



Agora vamos falar de alguns detalhes independente dos lugares:



  • Check list

Tá com bafo? Coloque um halls na boca.
Tá com pizzas no braço? Perdeu, hoje não vai dar nada.
Tá sóbrio? Vai beber alguma coisa, Gente relaxada conversa mais.


  • Approach
Homem que é homem chega na mulher. Mas homem que é homem se borra também. Muito ou pouco, mas se borra. O mais corajoso, bonito, inteligente, ultra pumper jumper blaster fodão pode chegar na modelo, na artista da Globo, na capa da revista ou na feinha de perna mal depilada, mas sempre existirá a chance de tomar um "não". E ele também tem medo de tomar "não".

Na maioria das vezes, a mulher só desvia, só sai de lado... mas, na cabeça do homem, se ele chegar na mulher, ele vai escutar "sai daqui, seu escroto". Isso só melhora depois de vários "nãos" que você toma.


  • Sorria
Treine seu sorriso. O pau pode estar quebrando, mas mantenha a postura.:

    • Ela deixou cair bebida na sua camisa da sorte? "Ah, tudo bem, estava velha mesmo...";
    • Outro carinha está dando em cima dela? "Beleza! Se ele não tivesse 2 metros de largura, ele iria ver";
Um sorriso (completo) atrai e indica segurança entre outros benefícios. 



  • Conclusão
Saia bastante, se habitue com os lugares e faça se sentir à vontade. Tome foras, se divirta e vá aprendendo. Não se preocupe em "raspar a panela", "fazer caridade" ou "fazer gol feio", pois todo mundo já beijou gente feia. Com certeza, seu amigo pegou uma pior.




Dicas do Vini - Preparando-se para sair (mulheres)

Se os homens devem se preparar, imagine as mulheres. Elas que esperam a chegada dos homens, então cuidam de cada detalhezinho pra chamar a atenção. Depilação, roupa, maquiagem, barba (tem mulher que precisa fazer)... eu não sou um expert na preparação feminina, mas pedi ajuda de algumas amigas para fazer esse post.

A preparação é árdua. Imagine arrancar pelos da virilha. Imagine mostrar suas intimidades para uma japinha com cara de masoquista para ela arrancar pelos da sua virilha. E ainda tem os pelos da região do olho cego, do buraco negro, da moeda do diabo, do botão de Eject... e isso é só depilação. Não é à toa que mulher espera que o homem venha falar com ela. Não dá pra caminhar muito depois de sentir tanta dor. Mas pensar que se arrumar já é um diferencial na conquista, não é mesmo... é só o básico junto com a higiene.

A grande diferença entre chamar atenção de uma mulher e de um homem, é que homem é mais bobo. Qualquer dobrinha de cotovelo pode ser motivo para imaginação de uma semana, independente da preferência clássica PPB (Peitos, Pernas, Bumbum), apesar que a cintura define uns 30% da beleza da mulher. E estamos falando de todos inclusive os "homens sérios e maduros" que algumas mulheres fantasiam, esses homens também fantasiam.

O segredo é focar no que eles querem, e homem quer mesmo é se dar bem. Chegar em casa e pensar "Po! me dei benzão. Sou foda um cara bacana mesmo". No dia seguinte, o amigo pode falar "Po! você pegou uma banguela...", e o cara pode responder "Mas você viu as peitolas?". É isso! É dar um argumento pro homem achar que ele que escolheu a dedo a menina e se deu bem só porquê ela tinha peitos. E todo mundo sabe que mulher é quem escolhe. (Nos próximos posts, eu falo disso)

E como chamar atenção e dar argumento pro homem? Chegar em um cara pode ser uma oferenda ou até uma ofensa. Vão dicas para as mulheres ANTES de sair de casa:

terça-feira, 13 de setembro de 2011

Dicas do Vini - Preparando-se para sair (homens)

Como diria Cidade Negra "todo mundo espera alguma coisa de sábado à noite". Você combinou de sair pro barzinho, pra balada ou pra um "churrasgato" que vai ter um povinho novo? Boa sorte! Você pode conhecer pessoas em qualquer lugar, mas são lugares assim é que se pensa em conhecer alguém.

Conhecer alguém pode rolar naturalmente, mas... entre nós, nada é natural quando se tem um interesse. Até parece que meu topetinho está tão lindo quanto o elogio. Até parece que você não reparou na barriguinha dela e pensou "malhando 2 meses isso sai". Até parece que você não reparou que ele fala errado. Até parece que eu sei quando o vestido está bonito ou feio quando eu elogio sua roupa. Até parece que todas as piadas que eu contei foram engraçadas (já sei se a menina tem interesse se ela dá risada demais de uma piadinha mais ou menos).

E se conhecer alguém não é natural, prepare-se. Lá vão algumas dicas para preparação masculina:

  • Puxando assunto

quinta-feira, 8 de setembro de 2011

Dicas do Vini - o básico da higiene

Conquistar e ser conquistado não é uma ciência exata. Não dá pra dizer "Dê chocolate e conquiste" ou "Dê uma porrada e conquiste" (embora a segunda opção seja mais eficiente). E também não existe um conselho muito bom como nos filmes americanos em que o jovem procura o senhor de idade que lhe diz "seja você mesmo". Nem com puta é exato. É honesto, mas não exato.

Mas existe pelo menos o básico para se conquistar alguém. Isso daria um livro maior do que a Bíblia, mas vou tentar resumir em alguns tópicos essenciais para uma conquista:



1.     Higiene

É o ítem mais do que básico. Ninguém gosta de alguém sujo. Nunca ouvi falar alguém falar "Nossa! Adoro as cracas que aquele cara tem nas dobrinhas. Imagine o umbigo dele... Ai, ai...". Tem pessoas que podem não se importar ou não reparar, mas quem já não desistiu de uma pessoa porquê ela tem hálito de privada pública, ou tem uma pizza nas axilas...


sábado, 20 de agosto de 2011

Vinícius? Não

Lá com meus 15 anos e nada pra fazer em casa e toca o telefone. Aí tinha um povo que ligava para oferecer produtos. Muitas vezes eu até ficava escutando o que eles me ofereciam por pura falta do que fazer. O ócio favorece a sacanagem. A pessoa me ligava, eu enrolava e, quando eu percebia a empolgação, eu dava uma desculpa para não comprar o produto.

Às vezes não ofereciam produtos, mas pediam doações. Meus pais sempre me falavam que tinham pessoas que enganavam pedindo doações e não tinha nada a ver. Então eu ficava com mais receio. E eu treinava minha habilidade de dar desculpas. Treino avançado. Aquele pessoal é muito chato.

Em uma bela tarde quente, o telefone toca:

- Alô?
- Boa tarde! Estamos recolhendo doações e blábláblá...
- Desculpe, mas não posso. Vou viajar pra fora do Brasil e vou ficar um tempo fora...
- Ah, é mesmo? Que legal!

Ha! Ela caiu na conversa. E ela continuou:

quinta-feira, 11 de agosto de 2011

Filhos da outra

Tenho cachorros e já acho que dá um trabalhão. Tenho sobrinho e vejo o trabalho que dá pra minha irmã. Nem imagino como seria o meu. Nossa! Não estou preparado para isso. Vou me matricular no curso "como ser pai" e levar 10 anos para me formar.

Todo mundo já enfrentou uma situação em que conhece alguém legal, mas tem filho(a) ou filhos(as). Uma hora ou outra, você vai ficar de lado. Afinal, eles tem toda a preferência. Fazer programa com eles? Que delicado, heim? Eu mal sei lidar com cachorro, imagine com criança. Sem contar que elas podem ser mimadas. Minha experiência com criança diz que eu gosto de criança educada. Não suporto 30 segundos de criança chata.

Se tiver a terceira guerra mundial, pessoas serão torturadas. Nada de choque, nada de porrada. É só deixar a vítima 15 minutos com uma criança mal criada pedindo para a mãe colocar Coca-Cola pra ela.

Não sei como funciona hoje, mas na minha época (semana passada) eu não fazia manha, não. Só uma vez que fui inventar de bater o pé para os meus pais. Meu pai com quase 1,90m e jeito "simpático" de um militar falou "Se bater o pé de novo, você vai levar uma surra". Aí, eu inventei de "bater os braços" como um pássaro. As caras bravas dos meus pais viraram a risos e me livrei da surra, mas também não consegui o que queria. (verídico)

O Rio de Janeiro continua...

É muito fácil "andar" de avião, é só entrar, esperar e sair em outro lugar. Só precisa chegar um pouco antes de começar. Simples? Cheguei 25 minutos antes e com uma pasta com 5 folhas: uma sobre como fazer check-in, 2 folhas da ida e 2 da volta. Estava sem fila e com 1 atendente antes dos guichês. O atendente já veio me falando "O check-in já encerrou. Procura a loja da Webjet. Depois das lojas, à direita".

Fui correndo já sem esperança. Corri por um bom caminho. Eu tinha muito pouco tempo. Po! Não parecia tão longe quando o atendente falou. Voltei e vi uma portinha de vidro com um ambiente verde dentro. Só poderia ser lá. E era!

Entrei e já vi uma fila. Na hora da pressa, as filas brotam para todos os lados. Se um dia você for tirar o pai da forca, vai ter fila. Se for tirar a mãe da forca, vai ter fila. Se você for tirar o Maluf da forca, aí não vai ter fila nenhuma.

Aproveitei a espera para procurar informações na internet pelo celular e pra ver se conseguiria resolver pelo telefone. Mas bem que a mulher que estava sendo atendida poderia parar de bater papo e eu resolveria meu problema rapidinho. Isso só funcionaria se eu não estivesse com pressa. Meu tempo correndo e a mulher dando risada.

domingo, 24 de julho de 2011

Pensando em parar de beber?

Seja realista. Beber faz bem, mas em pouquíssima quantidade. Não sei o quanto é pouco pra você, mas sempre escuto "uma taça de vinho faz bem ao coração". Mas uma taça de hora em hora, ou de ano em ano? Não interessa. Evite beber à toa. Deixe para as festas.

E em uma festa, não pode faltar bebida. Se uma festa tiver uma variedade de umas 10 bebidas, é uma festa boa. Se VOCÊ tiver uma variedade de 2 bebidas na barriga, a festa fica melhor ainda. Você vai pagar um mico, vai quebrar alguma coisa da casa do dono da festa, vai dizer que ama alguém, vai dizer que odeia alguém, ou simplesmente vai vomitar. Antes e depois todo mundo vai comentar e você será alvo de piadas por 1 mês inteiro. Sem contar as piadas de quando lembrarem da festa. Eu já fiz isso (não tudo) e ainda na casa do Leandro.

Ele tinha acabado de se mudar. Todo orgulhoso. Todo pimpão. A casa não tinha nem cadeira pra sentar. Mas improvisamos. Eu já tinha perdido minha companhia. Ela foi pra casa logo no começo do churrasco. Eu não tinha nada pra fazer. Só conhecia o Leandro na festa, o que vou fazer? Beber, ir pra casa andando e dormir como um velho depois do cooper.

sábado, 25 de junho de 2011

¡Olé, Canário! - Alugando carro

No terceiro dia em Madrid, estava programado para alugar carro e viajar para Toledo, Valência e Barcelona.  Acordar cedo, ir ao aeroporto e pegar a estrada o mais rápido possível. Claro, era só um plano.

Cheguei por volta das 9h30 e com o voucher na mão. Mas o que estava no papel era só a confirmação do carro da empresa intermediária Meu(estilo decolar.com) e o número da reserva. Com isso, seria mais do que suficiente. Só tinha um problema: não tinha nome da companhia.  Mesmo assim não seria um grande problema, pois só tinham umas 5 companhias.

Beleza! Passei em todas as companhias. Só um carinha da Hetz que não atendeu direito. Mas o resto atendeu bem mesmo fazendo um serviço chato de busca.  Mas... e agora? Ninguém reconheceu a minha reserva e não tinham mais companhias.

sexta-feira, 24 de junho de 2011

¡Olé,Canário! - Indo pra lál

Na ida pra Espanha, uma escala no Chile e ainda esperar 3 horas pra pegar ooooutro voo (voo promocional,  né?). Mas dá pra olhar as lojas, tirar foto e praticar o espanhol na versão criada por brasileiros e difundida pelo Luxemburgo ("lo trabajo").

A língua é diferente mesmo, mas é tranquilo pra entender.  E hablar?  Ainda bem que estava longe. As gafes que cometi ficaram em terras estrangeiras. Nem saberia dizer toda a vergonha que passei, pois só tinha certeza que era gafe quando a outra pessoa falava "¿como?" e me olhava com cara de tonto latino.

Eu estava empolgado com a viagem, mas queria aproveitar pra trocar umas moedinhas de dólar que eu tinha. Entre moedas de 25, 10, 5 e 1 cents de dólar, juntei 10 dólares. Passei meia hora contando moedinha na mesa da lanchonete. Parecia que eu estava contando as moedinhas do Tio Patinhas. Mas contei tudo e fui pagar. Eles não aceitam moedas de dólar. Andei aquele aeroporto inteiro e ninguém aceitou meu dinheirinho.

Eu andando com uma sacola cheia de moedas pelo aeroporto, não foi algo agradável.  E até meio constrangedor.  "O que estão pensando de mim?", "Essas pessoas estão olhando meio torto", "Será que estão pensando que assaltei uma igreja com dizimo em dólar?"

Orra! Uma igreja diferente, bilingüe e dizimo em dólar. Quem seria o padre? Jô Soares? Seria interessante ele fazer a missa no formato de talk show. O sexteto tocando música de igreja, e o Jô entrevistado alguém interessante como uns anjos.

"Hoje,  vamos entrevistar o anjo da guarda que se destacou fazendo seu serviço com roupas ousadas. Pode vir, Gaibriel!"

[aplausos da platéia]

Jô: essa roupa não te aperta?
Gaibriel: é fashion, isso que importa. Seu gordo mal vestido!

Acabaria com o Jô saudando "uma benção do Gordo! Smack!"

É... Nem rezando alguém aceitou minhas moedas. Ou então não aceitaram de sacanagem. "Ih, é brasileiro?  Hum...". Muitos brasileiros se acham quando saem do Brasil, mas o fato é que ninguém dá moral pra um tupiniquim. Só na hora de jogar futebol. É como achar que todos japoneses são inteligentes,  todos os negros sabem sambar, ou todo corintiano tem mais de 2 passagens na polícia.

O jeito é ir viajar com as moedas mesmo e achar que todo espanhol dança flamenco ou é toureiro.
¡Olé, Canário!

terça-feira, 14 de junho de 2011

Terminar é fácil

Você terminou por telefone? Parabéns! Você foi sensato e prático, mesmo sabendo que a outra pessoa agora quer cortar seu pescoço, porque ela acha que faltou consideração da sua parte. Mas o que ela queria? Ela esperava que você convidasse para um jantar romântico, ela se produzisse como um pavão indo ao baile pra tomar um pé na bunda? Jamais! Por telefone, ela toma um chute bem dado e continua de pijama para chorar na cama.

Uma vez comecei a "ficar" com uma senhorita linda, mas eu não soube levar a situação e fiz merda. Mais ou menos como aquele craque que é convocado pra seleção, chega lá e acaba estragando o time. Coisa de gente jovem. Ninguém nasce sabendo, mas todo mundo já sabe cagar.

Certo dia, ela me chamou para passar na casa dela e fazer alguma coisa. Lá vou eu tomar banho, passar perfume, arrumar o cabelo e fazer a barba... Homem não tem muita produção (exceto em casos de metrossexuais e gente muito feia), mas fazer a barba não é nada divertido. É um saco passar espuma, ficar raspando alguma coisa cortante na sua pele, deixar umas marcas da lâmina, duelar com espinhas e pelos encravados, fazer caretas no espelho e sempre achar que ficou um lixo e falar pra si: "Vai ser assim mesmo. Se ela não gostar, falo que o cara da novela fez igual".

Pronto! Estou arrumado. Lá vou eu viajar e rodar uns quilômetros. Quem dera eu ter sorte de encontrar com alguém que more perto. Só arrumo gente que mora longe. Essa nem era tão longe, mas já iriam uns 8 km brincando. Sempre deixo pra passar perfume chegando no lugar, porque acho que o tempo até chegar, já me fez ficar sem cheiro.

Cheguei lá. Ansioso, cheiroso e sem pelos na cara. Ela diz:
- Ai, Vi, queria te contar uma coisa: acho melhor a gente parar por aqui. E blablablabla... Mas quero ser sua amiga, você é muito gente boa.... blablablabla.
- Ah, beleza!

Puto da vida, parecendo um palhaço de topete e gel, pensei e desabafei:
- Bom... agora que somos amigos, acho que posso falar isso: Vai tomar no c*! Você me fez atravessar a merda da cidade pra me falar isso? Por que não falou por telefone?

Ôôô, Canário!

segunda-feira, 13 de junho de 2011

Sobrinho nota 10 (Pior que é verdade)

- Marquinhos, vai sentar e estudar português. E escreve 10 palavras com X e 10 com CH
- Está bem.

2 minuto depooooois, ele grita:
- É só palavra em português ou pode palavra em inglês?
- Marquinhos... (tempo para respirar) ... a matéria é português ou inglês?
- Português.
- Então...

Minutos depois ele veio.
- Vamos ver. Palavras com CH: Chácara, chaveiro, chá, charuto, Chumaquer... CHUMAQUER?

-----
Outra

- Vinícius, aproveita que está na cozinha, e corta uma pêra pro Marquinhos.
Cortei na metade, fui tirar o cabinho e as sementes, e o Marquinhos fala:
- Que bom que você tá tirando isso (semente e cabinho), não gosto de comer.
- Marquinhos, você come a semente?
- Como. A tia da escola corta e não tira a semente.


Ôôô, Canárinho!

terça-feira, 17 de maio de 2011

Somos contra o Bullying

Tá na moda falar de Bullying. Até o Obama falou que sofreu brincadeiras maldosas sobre suas orelhas grandes e que soube superar tudo isso. Agora ele é presidente dos Estados Unidos da América. (Uau!) Antes ele era alvo de piadas, agora ele é alvo de bombas. Superou mesmo.

Acho que todo mundo já sofreu algum tipo de brincadeira. Assim como o brother Obama (meu parceiro), eu também confesso que fui alvo de piadas, chacotas e derivados. E pelo mesmo motivo do Obama: as orelhas.

Hoje, elas já estão mais proporcionais e a maioria não percebe (ou não fala nada), mas tem uns que ainda percebem o vento quando balanço a cabeça. Ou percebem a diferença de tamanho de fones de ouvido. Ou então perguntam se coloquei brinco e inflamou. São uns desgraçados.

quarta-feira, 4 de maio de 2011

Quando a coisa fica russa - parte 2

Pra quem não leu, é melhor ler a primeira parte.

Eu convidei a Rimma e usei o argumento de passar um ano novo na praia. Na Rússia, ela só tinha passado ano novo com neve, frio e sem muitas festas. Ela estava no Brasil e é claro que ela tinha que descer pra praia. Mas como eu faria isso? Colocaria ela num ônibus para a praia e falaria "se vira" em russo? Seria uma boa, eu estava namorando e minha namorada ficaria contente, mas não iria sorrir. Na verdade, você pode falar para sua namorada "Amor, ganhei na loteria", se algo estiver errado vai escutar "hum... não fez mais que a obrigação" e cruzam os braços.

Ok! Vou descer com a russa e a Pri (namorada) aceitou (resmungando). Mas o que faríamos em 3? Ficaria estranho. Aí que entraram os amigos: Leandro, Ivan e Luis Fernando. Poderíamos nos chamar pelos nomes, mas entre amigos fica difícil não apontar os defeitos, né? Carinhosamente eram o "Narigudo", "Jaspion" e "Muguila". (Munguila é derivado de Maguila. Recebeu o apelido pela aparência fofa de um pedreiro boxeador).

sexta-feira, 22 de abril de 2011

Vai fumar?

Como você sabe (Hor do you know)

Para os apaixonados ou aqueles que ainda vão se apaixonar, porque é ainda não está em cartaz.

Lançamento para esse ano.

Estamos em 2011, tá?

Reportagem do trabalhador!

Clique na imagem para ampliar e ler.

terça-feira, 19 de abril de 2011

segunda-feira, 18 de abril de 2011

Outra dívida de amigo

Na volta pra casa ele me falou sério "Você está me devendo. E eu vou cobrar". Eu pensei "ferrou". Nunca tinha visto o Yuri bravo. Ele é calmo, gente boa e muito brother. Dessa vez tinha que ser  muito brother mesmo.

Quem já foi para o interior sabe que as mulheres são mais bonitas do que em Sampa. Pela quantidade da qualidade.  Não sei se todo interior é assim. Mas em Campinas é. Uau! É diferente mesmo. E o melhor é que o Yuri tem uma chácara numa cidade ao lado. Ele faz aniversário em um feriado e convidou uma galera para comemorar lá.

Churrasco, bebida, poker, truco e tudo mais. À noite, fomos para Campinas para ir pra balada. Eu já estava como o Zeca Pagodinho gosta: bêbado e cantando. Mas eu não estava ruim, não. Eu ainda desenvolvia um diálogo. E naquela cidade eu conversei bastante. Além de lindas, as mulheres lá são simpáticas. Ou as paulistanas que são umas ogras e eu estou calejado com o tratamento daqui.

sexta-feira, 15 de abril de 2011

Níveis de beleza (ou feiura)

Quantos homens já fizeram ranking da mais bonita? Ou da mais feia? Acho que todos já fizeram um ranking. A mais bonita da sala. A mais bonita do trabalho. A mais bonita do cinema. É bem simples: estabelecer critérios e julgar. E ao contrário do que alguém pense que isso é uma ofensa às mulheres, isso é muito saudável... se as pessoas julgadas não ficam sabendo. Se elas souberem, elas podem deixar você bem feio.

(Dica: ranking da mais feia é muito mais fácil de fazer. Se você nunca fez, experimente em silêncio)

Mas as mulheres também julgam. Opa! Fazem direitinho. Acho que elas só não colocam em ranking, mas usam categorias. Enquanto homens dão nota em uma escala de 0 a 10, as mulheres colocam em categorias como "para casar", "para conversar", "para fazer um amor", "para ficar juntinho", "para levar uns tapas" e assim por diante. Uma amiga me contou que às vezes mulher tem vontade de sair com um cara "com cara de pedreiro". Não tenho muitos detalhes das categorias, pois não participo de conversas femininas por motivos óbvios.

E não estranhe a categoria "para levar uns tapas". Existem muitas mulheres que gostam de levar uns tapinhas naquela hora. Dizem até que toda mulher gosta. Acho que deve ter uns homens que também curtem levar umas bifas. Eu acho a prática muito perigosa.

terça-feira, 12 de abril de 2011

SAP - Serviço de Atendimento ao Paulista

Já não acho que paulista seja estressado. Olhe três casos de como nos comportamos bem com o atendimento de alto nível da Bahia.

Caso #1:

O Queijo no mercado.
Leandro todo serelepe pimpão chegou para a moça do balcão da sessão de frios do Supermercado e pediu:
- Você vê 300 gramas de mussarela, por favor?
- Já está cortado. Pode pegar. - Apontando para a bancada atrás dela.
Leandro ficou com raiva e teve que ficar quieto, porque a atendente era 3 vezes maior do que ele.


Caso #2

O troco
> Carlinha pagou suas compras do mercado com um nota, pois não tinha trocado.
> A mocinha do caixa cobrou o valor e deu o troco: 5 moedas de 5 centavos = 25 centavos.
> Carlinha perguntou se ela não teria uma moeda maior.
> A atendente contou de novo as moedas, pegou a mão dela e, com a delicadeza de um pedreiro, colocou as moedas na mão de Carlinha e disse que o troco estava certo.
> Carlinha foi embora assustada, pois a mocinha do caixa botava medo de tão feia que era.


Caso #3

Os tipos de suco
Flávia e eu estávamos sem fazer nada e fomos a um barzinho para tomar um suco. Lá na Bahia tem uns suquinhos diferentes e eu estava afim de experimentar um suco de alguma fruta de nome estranho. Sentamos e perguntei ao garçom:
- Qual suco diferente você tem?
- Você é que vai me dizer. Aqui temos de tudo.

Fiquei espantado. Uau! Eles devem ter todos os tipos de frutas. Pedi o cardápio, e a Flávia sugeriu um suco estranho XYZ. Chamei o garçom e pedi:
- Por favor, você traz esse suco XYZ?
- Esse eu não tenho.
- Ué? Mas você não disse que vocês tem de tudo?
- É que eu sou novo aqui e não sei de tudo que tem.


Atendimento é a chave do negócio baiano. Ôôô, Canário!

segunda-feira, 11 de abril de 2011

Leandro trabalhando

Mira errada

Chegamos na Bahia e ficamos um pouco desapontados. Leandro e eu achamos que em Salvador só tem Ivete Sangalo andando pra lá e pra cá. Mas não é bem assim, né? Se passaram uns dias e não tivemos nenhum sucesso.

Não tinha nenhuma grande motivação para sair do zero à zero. Além da cidade estar meio vazia, teria que aparecer alguma coisa muito boa, e teria que vir em dupla pra dar uma graça e não abandonar o parceiro da guerra. Mas as chances eram bem pequenas. Aproveitamos para conhecer as praias, os lugares e tudo mais.

Fomos para a Praia do Forte e o cenário mudou um pouco: continuava ruim, mas com alguma esperança. Andando pra lá e pra cá, olhamos 2 coisinhas no mar. Entramos na água e conhecemos. Não era lá essas coisas, mas eram aceitáveis. O Leandro foi na frente e foi escolhendo a "melhorzinha".  Conversa vai, vai, vai... e saímos da água:

quarta-feira, 6 de abril de 2011

Hospital não é para repouso

Futebol + Dor no joelho + 3 ortopedistas + 1 ressonância = Cirurgia.

Tudo começa com o jejum. A cirurgia estava marcada para 14h, então eu não poderia comer depois das 6 de manhã. 5h30 da manhã eu levanto para comer. Não era pãozinho com manteiga, não. Era Macarrão e carne. Vou passar 8 horas sem comer, tinha que dar uma "sustança".  E ainda voltei a dormir mais um pouquinho.

Deixei tudo pra última hora. Acordei correndo pra buscar exame de sangue, a guia de internação, fazer a mala com roupa, xampu, escova de dente... Eu nem precisava colocar cueca. Estava bem ciente que em determinado momento eu mostraria meu amendoim pra todo mundo. Olha a dica: jamais pense em ter dignidade em um hospital.

Deu tempo de tudo. Minha irmã me levou e o trânsito estava bem suave.

Putz! Não comprei chinelo para o banho.
Liguei para Carlinha me levar um chinelo.

Mas putz! Ôôô, Canário! Cadê a ressonância?
Liguei para minha mãe trazer.

Organização é tudo nessa vida.

domingo, 3 de abril de 2011

Quando a coisa fica russa - parte 1

Em 2008, eu passei por uma cirurgia grave e tive que passar uns meses em casa. Sem sair de casa. Sem poder fazer nada. Zero. Sem esforço nenhum. Eu imaginava passar uns 5 meses assim. O que eu ficaria fazendo? Pensei "vou aproveitar meu tempo" e pensei em usar a internet pra conhecer o máximo de pessoas diferentes. E quem mais eu queria conhecer? Uma Sueca. Claro! Loiras, lindas... mas, como toda mulher, falam uma língua que não dá pra entender.

Fui pesquisando, pesquisando e achei um site russo. E com umas belas russas. Parei ali mesmo. Cadastrei-me em um tipo de Badoo da Rússia. Eu usava o Google tradutor e inglês. Claro que muitas russinhas lindas se perderam.

Conheci uma russa muito lindinha e muito legal: a Rimma B. Aí passou o tempo da recuperação, passou muito tempo. Já em 2009, eu conheci a amiga: a Rimma Mirasova. Mesmo na Rússia, vale a tese "Não terás duas amigas bonitas numa mesma ocasião". A Rimma M era bem "marrom"... "marromenos".

quinta-feira, 10 de março de 2011

É melhor concordar

Resolvi encontrar alguém pela internet. Mundo moderno é outra coisa. Não tem erro: webcam, foto, orkut, facebook e por aí vai. Se dá pra conhecer alguém bêbado na balada, por que não na internet? Não lembro como conheci a Tati, mas trocamos msn, combinamos e eu fui até o bairro dela.

Lá na casa do Canário.  Longe, muito longe. Era falou que era Pirituba, mas devia ser em outro estado. Peguei estrada e até paguei pedágio: R$1,90. Para ir longe assim é porquê vi a foto. E pela foto, a menina deveria ser a Miss Pirituba. Lógico que não seria. A foto que a pessoa manda é sempre a melhor que ela tem. É a foto da vida dela. É a foto que ela vai mandar para avó. E, claro, é a foto que vai te enganar.

quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

Gente velha

Já pensou quanto é um dia? Uma semana? Um mês? Um ano? E tudo o que você poderia fazer nesse tempo? Imagine o que dá pra fazer em 25 anos. Eu já fiz bastante coisa, e esses dias estou nostálgico. Olhando coisas velhas e tudo mais. Percebi que minha rotina mudou muito. Agora eu tenho mais tempo do que eu tinha, e menos pique. Ou seja, estou velho!

Eu trabalhava e estudava nos dias de semana, e no final de semana eu saía. Às vezes, eu saía também no meio da semana. Mas hoje tenho preguiça de ir à padaria. Várias coisas pendentes, coisas que quero fazer... Espera um pouquinho. 15 minutinhos e já volto. Vou deitar e continuo a escrever o texto.





Entre outras coisas de velho está a reclamação. Claro que nem todo velho reclama, mas é um clichê ser velho e reclamar. Para mim, reclamar é um esporte. Faz parte da vida reclamar. Repare que a maiora das conversas começam com alguém reclamando:

sábado, 5 de fevereiro de 2011

Dívida de amigo

Dever amigo, às vezes, é bom. Falo de dívidas "te devo essa". Aquele galho, aquele favor, ou aquela roubada que você colocou seu amigo. Sim, nada melhor do que colocar um amigo numa roubada. É um ferrando o outro, mas o que vale é dar risada (do outro).

As maiores roubadas acontecem por causa de mulher. Homem entra em roubada sozinho e sai sozinho. Mas tem mulher que é insegura e resolve chamar uma "amiga". Você chama a fulana pra sair, ela aceita, mas ela quer envolver uma amiga. Ok? Ok. Sabe aquele mandamento, né? "Não terás duas amigas bonitas numa ocasião". Há um tempo atrás, aconteceu esse roteiro: convidei, ela quis levar a amiga, chamei um amigo e fiquei com dívida.

quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

Reveillon na Bahia

Já era noite, e eu estava acompanhando os números da MEGA DA VIRADA 200 milhões de reais. Eu não saberia o que fazer com 200 mil, imagine 200 milhões. Um perigo! Mas eu realmente gostaria de correr esse risco. Opa! Só eu. Comprei o bilhete de um ceguinho em Ribeirão Preto. Fiz uma boa ação, até dei dinheiro a mais. Começa o sorteio. Saiu o primeiro número. Errei. Saíram os outros 5. E não passei perto de nenhum número. Vai ver é um sinal divino: matenha-se longe dos ceguinhos.

Azar no jogo, azar no amor, mas sorte na amizade. Estava com amigos e a filha da Carla. Precisávamos deixar a menina com a tia em Dias Dávila, cidade perto de Salvador. Perto? Eu dormi no caminho, acordei no caminho, dormi de novo, acordei com uns buracos na estrada. E entendi porquê o Leandro já estava começando a ignorar os buracos: ele já tinha dirigido 1 hora. Já era 22h do dia 31. Precisávamos nos apressar.

Chegamos na cidade, encontramos uns parentes da Carlinha. Um primo do cunhado do tio da prima da vizinha da bezerra do avô da Carla, disse que ninguém mais conseguia entrar na praia do Forte, onde tínhamos pensado em festejar a virada do ano. Solução era ir para outra praia, e rápido.

sábado, 22 de janeiro de 2011

Painho, vem pra Salvador!

Ano passado, Leandro e eu prometemos a nós mesmo que iríamos passar o Reve... o Ano Novo em Florianópolis. E lá pra Outubro começamos a organizar. Iríamos de carro e uma amiga disponibilizaria a casa num lugar bacana e tal: esquemão. Mas em cima da hora, ela disse que não iria mais. Ôôô, Canário! Procuramos outros lugares, mas não achamos. Tudo muito caro. Tudo alugado. Para quem não pagaria nada, tudo é caro.

A Carlinha, que iria pra Floripa também, disse que teria que trabalhar em Salvador, e teve a idéia de passar lá o Reveillon. (Viu que aprendi a escrever "Reveillon"? Google, Amém!). Lá ela conseguiria hospedagem grátis. Educadamente, liguei de madrugada para a Flávia e o Leandro. Azar o deles se estivessem ocupados. Era Salvador, cartão-postal do país, Olodum, acarajé, nordeste, praia... eram muitos argumentos para não desligar o telefone na minha cara.

Compramos as passagens e tudo certo. Viajaríamos dia 31 de Dezembro às 7h e chegaríamos por volta das 15h. Tanto tempo assim, dá pra pensar que iríamos de jegue. Mas era maneira mais barata: ir para Riberião Preto e de lá ir para Salvador. Esperaríamos 4 horas no aeroporto, mas tranquilo.

quarta-feira, 19 de janeiro de 2011

A volta de Montes Claros - MG

Ir para Montes Claros não foi muito relaxante. Mas passando os dias foi bem fácil: piscina, comidinha da mamãe do Leandro, a ceia de Natal... Até nos fez esquecer o ônibus. Mas é hora de dar Tchau! E resolvemos ir pela mesma agência. Gente pão-dura é assim. Paga pouco e ainda reclama.

O horário combinado era ao meio-dia. Chegamos um pouco antes e embarcamos... quer dizer, não embarcamos. Uma, duas, três horas de atraso e nada. O Leandro já tinha animado todo mundo. Imitou Silvio Santos, Clodovil, Lula... mas o pessoal não esquecia o atraso. Nos serviram esfirra e Coca-Cola. Uma esfirrinha safada num saquinho de papel. Era tão gordurosa que o papel do saquinho estava transparente. Já parecia saquinho plástico.

E o Leandro falando, o povo rindo, a mulher da agência ficando sem graça... até que chega a mãe do Leandro gritando "Ainda não foram? Que absurdo! E blábláblá". Fazendo um escândalo maior do que aquele escândalo que o Leandro fazia.

O Leandro não sabia onde enfiar a cara. A mãe dele sentou entre ele e uma menina. Empurrando o Leandro e a menina. Eis que meu amigo chama sua mãe de canto, já empurrando pra fora da agência, conversam, brigam, ele volta e ela fala para ele "Se comporta, heim?". Parece até que foi de sacanagem.

terça-feira, 11 de janeiro de 2011

A Ida para Montes Claros - MG

O Leandro veio me convidar para o natal na casa da mãe dele. Uns 2 anos ele ficou longe da mamãe e queria compania para enfrentar a viagem. A distância para Montes Claros - MG é de 1000 km de São Paulo. É muito chão.

Ir de carro seria a melhor opção, mas o Leandro veio com uma solução imbatível: um ônibus muito mais barato. Esse ônibus era quase a metade do preço normal. Claro que se desconfia de um preço desse. Perguntei ao Leandro:

- É clandestino?

- Não, não. É ônibus de empresa de turismo. A empresa aluga o ônibus e vem pra cá passear, fazer compras...

- Beleza!

Pensei em velhinhas simpáticas passeando aqui, contando sobre as coisas que compraram, sobre os netos, problemas do kilo de tomate... Tranquilo! Encaro fácil.